Notice (8): Undefined index: HTTP_ACCEPT_LANGUAGE [APP/app_controller.php, line 69]
Tupi Records-Brazilian Music Label- トゥピ・レコーズ-ブラジル度数100%の新レーベル

Álbuns

Bossa Nova Celebration All Stars Live At Blue Note Tokyo


Bossa Nova Celebration All Stars Live At Blue Note Tokyo


Código: DDCJ-1008
Preço: ¥2625
Formato: CD Álbum
Lançamento: 2009.08.19

Bossa Nova Celebration All Stars Live At Blue Note Tokyo - Oscar Castro - Neves

Faixas


  1. Ela E Carioca
  2. Ponteio
  3. My Sweet Sweetie Pie
  4. Domingo Azul Do Mar / Fotografia
  5. Waters Of March
  6. Rio
  7. Caninana
  8. Rio Dawning
  9. Tatiando
  10. Misturada / Tombo
  11. Chora Tua Tristeza
  12. Canto De Ossanha
  13. Manha De Carnaval
  14. Deixa

O grande Oscar Castro Neves reúne dois nomes consagrados da música brasileira e mundial: a cantora Leila Pinheiro e o percussionista Airto Moreira.

CD Info


O álbum é uma gravação do show ao vivo realizado no Blue Note Tokyo em 30 de abril de 2009. As famosas canções de Tom Jobim, Roberto Menescal e Baden Powell renascem numa nova versão bossa-nova jazzística sob a produção do maestro Oscar Castro-Neves.

Personnel


Oscar Castro-Neves (Violão, Vocal)
Natural do Rio de Janeiro e radicado nos Estados Unidos, Oscar Castro Neves é cantor, instrumentista, arranjador, compositor, produtor musical e diretor musical. O seu primeiro instrumento foi um cavaquinho, o seu primeiro grupo musical foi uma parceria com seus irmãos e o seu primeiro sucesso nacional foi "Chora Tua Tristeza," aos 16 anos de idade.
Em 1962, Castro-Neves participou do Festival de Bossa Nova do Carnegie Hall, em Nova York ao lado de Sérgio Mendes e João Gilberto.
Radicou-se nos Estados Unidos desde 1966 e foi um dos divulgadores do movimento da bossa nova nos Estados Unidos.
Trabalhou como produtor, diretor, arranjador musical, pianista e violonista ao lado de músicos e cantores mundialmente renomados como Sérgio Mendes, Stan Getz, Carlos Lira, Elis Regina, Vinícius de Moraes, Milton Nascimento, Flora Purim, Quincy Jones, Paul Winter, Yo-yo Ma, Michael Jackson, Barbra Streisand, Stevie Wonder, João Gilberto, Airto Moreira, entre muitos outros.
Dirigiu um programa de músicas brasileiras no Hollywood Bowl por sete anos e trabalhou como orquestrador de trilha-sonora de longas-metragens.

Convidados especiais
Leila Pinheiro (Vocal)
Cantora, pianista e compositora, natural de Belém do Pará, Leila começou a sua carreira solo em 1982 e em pouco tempo conseguiu popularidade com seu repertório diversificado, voz expressiva e cadenciada.
Gravou seu primeiro disco “Leila Pinheiro” em 1983 e dois anos depois, ganhou o prêmio revelação no festival de música Festival dos Festivais da TV Globo.
Em 1987, gravou o disco “Olho Nu” que a levou ao Japão, onde ganhou o prêmio de melhor intérprete no Festival Mundial Yamaha. No mesmo ano, recebeu da Associação Brasileira de Produtores de Disco (ABPD) o Troféu Villa-Lobos, como revelação feminina. Além de colecionar prêmios, gravou mais dois discos, inclusive “Bênção, Bossa Nova”, um CD comemorativo dos 30 anos da bossa nova produzido por Roberto Menescal para o mercado japonês, que fez grande sucesso no Japão e no Brasil. A partir daí, passou a ser conhecida como intérprete de bossa nova, rótulo que foi reforçado com o CD “Isso é Bossa Nova”, lançado em 1994.
Ganhou Discos de Ouro pelas gravações dos CDs “Coisas do Brasil” em 1993 e “Isso é Bossa Nova” em 1994.
No final dos anos 90, participou com Ivan Lins do “Tributo a Tom Jobim”, realizado no Carnegie Hall em Nova Iorque.
Fez shows e gravou com diversos músicos de renome internacional como Baden Powell, Tom Jobim, César Camargo Mariano, Roberto Menescal, João Donato, Ivan Lins, Francis Hime, Toquinho, Pat Metheny, Sadao Watanabe e outros.

Airto Moreira (Percussão, Bateria)
Natural de Santa Catarina e atualmente residindo em Los Angeles, desde criança Airto Moreira demonstrava um extraordinário talento musical. Ele aprendeu canto, piano, violino, bandolim e teoria musical, e aos treze anos tornou-se músico profissional tocando percussão, bateria e cantando em bandas de baile.
Participou dos grupos Sambalanço Trio e Quarteto Novo e, no fim dos anos 60, mudou-se para os Estados Unidos.
Em Nova Iorque, tocou e participou do grupo de Miles Davis, além dos grupos Weather Report e Return to Forever.
Trabalhou com influentes músicos americanos como Quincy Jones, Herbie Hancock, George Duke e Paul Simon, Carlos Santana, Gil Evans, Gato Barbieri, Michael Brecker, The Crusaders, Chicago e muitos outros; inclusive participou de trilhas sonoras para o cinema, como em “The Exorcist”, “Last Tango in Paris”, “King of the Gypsies” e “Apocalypse Now”.
Considerado um dos percussionistas mais populares do mundo nos anos 70 e 80, foi eleito dezenas de vezes como o percussionista número um pelos leitores e críticos da revista Downbeat, igualmente pelas revistas Jazz Time, Modern Drummer, Drum Magazine, Jazzizz Magazine, Jazz Central Station’s Global Jazz Pool na Internet, e por várias publicações Européias, Latino-Americanas e Asiáticas.
Participou do grupo de percussão “Planet Drum”, que ganhou o Grammy de 1991 na categoria World Music, e também do grupo “Dizzy Gillespie’s United Nations Orchestra”, que ganhou o Grammy na categoria de Melhor Álbum de Jazz.
Gravou álbuns e composições que foram aclamados pela crítica européia, além da canção “Maracatu” de sua autoria, gravada com o grupo de percussão japonês Kodo, que foi escolhida como uma das canções oficiais da cerimônia de abertura da copa do Mundo de 2002 no Japão.

Participações especiais
Paulo Calasans (Piano, Teclado)
Natural de Jundiaí, São Paulo, Paulo Calasans começou cedo seus estudos de violino por influência de seu pai, também músico, mas iniciou-se profissionalmente no piano nos anos 70. Na década de 80, virou produtor e produziu novos talentos.
Entrou para a banda do cantor Djavan e participou de concertos e festivais internacionais por vários países durante 1988 a 2001.
Durante a sua trajetória musical, participou de diversos espetáculos musicais, concertos e festivais pela Europa, América Latina, Canadá, Estados Unidos, Japão e por todo o Brasil, atuando como instrumentista, produtor, maestro e arranjador de inúmeros nomes da música brasileira, entre eles Djavan, Gal Costa, Gilberto Gil, Lô Borges, Sá & Guarabyra e Cássia Eller.
Foi produtor, arranjador e maestro de shows como “Tributo a Tom Jobim” em 2003, “Senna in Concert” em 2004 e “Angola Brazil” em 2005, entre outros. 

Marcelo Mariano (Baixo)
Natural do Rio de Janeiro, Marcelo Mariano é filho do pianista César Camargo Mariano e da cantora Marisa Gata Mansa. Começou suas atividades profissionais com catorze anos. Como músico instrumentista, gravou e acompanhou shows de vários artistas: César Camargo Mariano, Djavan, Ed Motta, Flávio Venturini, Gal Costa, Ivete Sangalo, Jorge Aragão, Leila Pinheiro, Leni Andrade, Lobão, Lenine, Pedro Mariano, Sadao Watanabe, Simone, Chico Pinheiro, Eumir Deodato, Romero Lubambo, entre outros. Atualmente se apresenta ao lado de Paula Lima, acompanhando-a em quase todos os shows.

Marco Bosco (Percussão)
Natural de Torrinha, São Paulo, Marco Bosco começou sua carreira profissional como percussionista. Estudou com professores e músicos integrantes das Orquestras Sinfônicas Municipais de Campinas e São Paulo.
Gravou um álbum no Japão em 1980 e regressando ao Brasil em 1981, gravou álbuns, produziu discos e trilhas sonoras para dança, cinema, teatro, rádio e televisão.
Em 1990, foi ao Japão para estudar percussão com um grupo japonês. Lá, realizou shows e gravou alguns álbuns com outros músicos japoneses e estrangeiros.
Além do Brasil e do Japão, fez turnês pelo México, Estados Unidos, América Latina, Europa e Hong Kong.
Retornou ao Brasil em 2000 e fundou a gravadora Rainbow Records junto com o maestro Ruriá Duprat no Brasil.
Voltou outras vezes ao Japão, onde gravou e lançou alguns álbuns, inclusive um álbum de jazz e bossa nova, e também participou e produziu álbuns gravados nos EUA e no Japão, de músicos e cantores brasileiros.
Participou junto com outros músicos brasileiros, do álbum “Randy in Brasil” de Randy Brecker, que ganhou o Grammy 2009 de melhor disco de Jazz Contemporâneo.
De volta ao Brasil em 2010, foi diretor musical do programa de rádio “Amazon Space”, apresentado na Rádio Amazonas FM.